As Medidas de Controles – Mitigando os Riscos


A mitigação de riscos independente da natureza do risco (ocupacional, ambiental, imagem e reputação, financeiro, etc) passa necessariamente pela adoção das medidas de controle pertinentes.

No caso da Segurança e Saúde Ocupacional as medidas de controle são agrupadas segundo uma hierarquia denominada “Hierarquia de Controles”. Esta classificação é feita para identificar e classificar as medidas de controle de acordo com a sua capacidade intrínseca de mitigar o risco.

A literatura classifica as medidas de controle segundo as seguintes classes:

Medidas de Eliminação: Eliminar a condição perigosa como por exemplo, eliminar o manuseio manual por um manuseio mecânico. Em outras palavras, eliminar a energia associada ao agente de risco.

Medidas de Substituição ou Minimização: Substituir uma substancia perigosa por outra menos agressiva ou reduzir a energia do processo (força, amperagem, pressão, temperatura, etc.)

Medidas de Engenharia: Mudança estrutural no ambiente de trabalho de modo a introduzir barreiras entre a condição perigosa e, portanto, a energia envolvida, e as pessoas. Exemplo inclui interlock, enclausuramento, sistemas de ventilação, etc.

Medidas de Separação ou Segregação: Criar meios de circulação da energia em caminhos alternativos de modo a evitar o contato das pessoas com essa energia. Exemplo é o uso de via de tráfego exclusivo para veículos e para pedestres, evitando assim a exposição das pessoas a veículos em movimento.

EPI - Equipamento de Proteção Individual: Fornecimento de equipamentos de proteção individual que inclui a seleção, adequação, manutenção e uso.

EPI – Equipamento de Proteção Individual: Fornecimento de equipamentos de proteção individual que inclui a seleção, adequação, manutenção e uso.

Medidas Administrativas: Procedimentos, treinamento e competência para a execução do trabalho. Inclui ainda sinalização horizontal e vertical, sinais de advertência e alarme, permissão de trabalho, controle de acesso, etiquetagem, inspeção, etc.

EPI – Equipamento de Proteção Individual: Fornecimento de equipamentos de proteção individual que inclui a seleção, adequação, manutenção e uso.

Pensando em saúde ocupacional, há de se inserir nesta estrutura hierárquica o Controle Médico que são aqueles procedimentos médicos que permitem identificar início de danos à saúde que podem ser tratados em termos de exposição e às vezes em termos de retroação dos efeitos à saúde. Exemplo é a audiometria que avalia a capacidade auditiva e suas decorrências, os indicadores biológicos de exposição definidos na NR-15 para agentes químicos, etc. Saiba mais neste artigo Qual a diferença entre Segurança e a Medicina do trabalho?.

Esta classificação hierarquiza os controles de acordo com a sua capacidade de mitigar os fatores de risco.

Quanto mais alto na hierarquia, mais robusto é o controle. Significa que a Eliminação é a forma de controle mais robusta e o EPI a menos robusta. Esta robustez está intimamente associada à dependência do controle à ação humana. Em outras palavras, quanto mais alto na hierarquia menos dependente da ação humana é o controle.

Há outra forma de se classificar as medidas de controle. Esta outra forma divide os controles em duas categorias: Controles de Prevenção e Controles de Recuperação.

Controles de Prevenção são aqueles que contribuem para evitar a manifestação ou desprendimento da energia envolvida nos agentes perigosos ou mesmo evitar que essa energia atinja as pessoas. Em outras palavras eles previnem a ocorrência de um evento indesejado.

Controles de Recuperação atuam apenas na consequência do evento indesejado ou a lesão ou doença, mas não previne a ocorrência do evento. Por exemplo, quando utilizamos um controle de Engenharia estamos isolando as pessoas da energia e, portanto, evitando que as pessoas entrem em contato ou se exponham a esta energia. Já quando utilizamos um EPI estamos apenas protegendo as pessoas em termos de minimizar a consequência. Por exemplo, o capacete não impede a ocorrência de um evento indesejado (queda de um objeto sobre alguém) mas sim diminui a consequência desse evento, atenuando os efeitos ou consequências do evento indesejado. Conheça mais sobre os Conceitos de Gestão de Riscos

Pense nisto quando for definir os controles para mitigar os fatores de risco!

botao-fap

 

 

 

 

 

 

 

Autor: Reginaldo Pedreira Lapa
Engenheiro de Minas e de Segurança do Trabalho
Diretor da RISKEX

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *